Blogagem Coletiva #MãesdaFicção : Beatrix Kiddo; #FelizdiadasMães

Está chegando o dia das mães, uma data que não possui apenas o intuito de incentivar o comercio e aumentar as vendas. O dia das mães é muito mais que isso, é uma data para lembrarmos que sempre devemos de valorizar aquelas mulheres que fizeram de tudo para nos por no mundo, cuidar de nós e nos proteger.

Como uma singela homenagem a todas as mães, organizei com alguns amigos escritores esta blogagem  coletiva. #MãesdaFicção tem o intuito de analisar personagens mães e a relevância da maternidade para a obra em que ela se encontra.

E eu não poderia deixar de falar da minha personagem favorita. Com vocês, Beatrix Kiddo,também conhecida como A Noiva.kiddo

Kill Bill é um filme multi-gênero extremamente violento, isso não há como negar, entretanto é fato que a maternidade de Beatrix é o eixo central do enredo. Na verdade, ouso dizer que o tema principal do filme é O Poder da Maternidade ao invés de pura e simplesmente A Busca por Vingança. 

O ódio que Beatrix sente por ter sua maternidade tirada a força é tamanho que ela se “lança no que os cartazes de cinema chamam de um furor violento de vingança”.

Para chegar a esta conclusão analisei o filme na ordem cronológica de Beatrix, não na forma não-limear que Tarantino apresenta seus roteiros.

Beatrix se apaixona por kiddo 02Bill, aceita ser treinada de forma cruel e absurda por Pai Mei, comete vários assassinatos por Bill  e então, um belo dia, algo acontece. Beatrix descobre que está grávida. Isso muda completamente todo o panorama de sua vida. Descobre que não pode continuar sendo a assassina de Bill, então foge.

Seu esforço é em vão, Bill a encontra quando está prestes a se casar, tentado mudar de vida. Ele, se sentindo enganado, arquiteta a morte da noiva. A cena da capela é emblemática para a historia, nela vemos Beatrix com medo de Bill, se esforçando para dialogar com ele.

No massacre, nossa heroína entra em coma após receber um tiro na cabeça, quatro anos depois…

Toda dor que Beatrix sente ao ver o seu ventre vazio é expressado em um grito ensurdecedor, atuação fabulosa de Uma Thurman nessa cena. Essa dor, é a força que move a personagem em sua jornada de vingança, remoendo todos os que tiraram sua oportunidade de ser mãe.

Beatrix sentia um vazio em seu coração e sua alma. A busca por vingança, matando quem se colocasse em seu caminho, foi a forma que ela encontrou para lidar com a perda.

Até que no auge de sua jornada um encontro inesperado a tira de orbita…

Ao encontrar sua filha, seu coração materno diz nesse momento que é ela, a criança que cresceu em seu ventre, a criança perdida que a fez voltar a ser uma assassina. Seu coração se enche de alegria, que o ódio por Bill se torna secundário.

Ela sabe que o confronto é inevitável se quiser ficar a sua filha. E com todas as suas forças confronta Bill, para pode viver em paz e ser mãe.

Essa meus caros é Beatrix Kiddo, uma mãe que não deve ser provocada.

Abaixo a lista dos outros blogs participantes da BC #MãesdaFicção,
Participe você também, escolha uma personagem de qualquer linguagem que seja mãe, coloque a tag #MãesdaFicção e faça a sua analise sobre como a maternidade daquela personagem foi importante para a obra.

Desatinos por Escrito – Amy Pond

Fanpage de Balthazaar Pacco – Daenerys Targaryen

Forja de Papel – Thiago Lee – Sinhá Vitória

 

 

Anúncios

Um comentário em “Blogagem Coletiva #MãesdaFicção : Beatrix Kiddo; #FelizdiadasMães

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s